PARCEIRO DO BLOG

PARCEIRO DO BLOG
PARCEIRO DO BLOG

sábado, 23 de junho de 2018

Diminuiu o número de motoristas embriagados no RN

De 2011 para 2017, diminuiu em 37% o número de motoristas, de Natal, que dirigem embriagados. É o que mostram os dados levantados através da Pesquisa de Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel), do Ministério da Saúde. No Brasil a frequência desse hábito aumentou em 16%. A Lei Seca completa 10 anos de vigência no país.
O Vigitel é uma pesquisa realizada em todas as capitais do país, por telefone, com adultos maiores de 18 anos. Em Natal, foram entrevistadas 2.018 pessoas entre fevereiro a dezembro de 2017. Dessas 742 eram homens e 1.276 mulheres. Em 2011, a frequência de motoristas que admitiram dirigir sob efeito de álcool na capital era de 8,9%, enquanto em 2017 foi registrado o índice de 5,6%.
A Diretora de Doenças e Agravos Não Transmissíveis e Promoção da Saúde do Ministério da Saúde, Fátima Marinho, explica que, pela pesquisa, observa-se prevalentemente que os homens continuam a se arriscar mais do que as mulheres. “Esse é um perfil mundial, mas que no Brasil agrava a situação devido à infraestrutura que o país oferece aos condutores. É necessário ser mais prudente, pensar que os acidentes de trânsito podem matar e causar graves sequelas. Da mesma forma, os governos também precisam rever como podem tornar as vias melhores e mais seguras”, enfatizou.

Acidente com vítima fatal próximo ao moinho em Macau/RN

Segundo as primeiras informações, a vítima por nome, José Antônio dos Santos, 73 anos de idade, natural de Pedro Avelino e morador da Ilha de Santana.
O idos pilotava uma moto Honda BIZ de placa NNU 0027, o mesmo levava um saco de milho na garupa da moto.
As informações colhidas no local foram que seu Zé bateu na traseira de um carro que não parou pra prestar socorro.

BRASIL TEM 61,4 MILHÕES DE CONSUMIDORES INADIMPLENTES, AFIRMA SERASA

O número de consumidores inadimplentes chegou a 61,4 milhões em maio, um aumento de 0,7% em relação ao mesmo mês do ano passado e o maior índice desde o início da série, em 2016. Os dados da Serasa Experian também revelam que, em média, são quatro dívidas por CPF, totalizando R$ 4.458 por pessoa.

De acordo com os economistas da Serasa Experian, o enfraquecimento do ritmo de crescimento econômico contribui para manter em patamares elevados as taxas de desemprego no país e, consequentemente, os níveis recordes de pessoas com o "nome sujo".
PUBLICIDADE
inRead invented by Teads

Bancos e cartões são os maiores motivos de dívidas, seguidos por contas em aberto de água, luz e gás. Em seguida, aparecem os setores de telefonia e varejo.

A faixa etária que concentra mais pessoas com débitos vencidos é a que compreende consumidores de 41 e 50 anos (19,7% do total). Já os idosos com mais de 61 anos respondem por 14,2% do total.

IPVA NÃO PODERÁ SER COBRADO DE PROPRIETÁRIO APÓS COMUNICAÇÃO DE VENDA DO VEÍCULO

A Lei 8.002, que proíbe a cobrança do Imposto sobre Propriedade de Veículos Automotores (IPVA) do proprietário após a comunicação de venda do veículo, foi sancionada pelo governador Luiz Fernando Pezão. A publicação saiu do Diário Oficial do Estado do Rio desta quinta-feira, dia 21. A medida, no entanto, não se aplica a débitos anteriores do imposto.

A lei sancionada resulta do Projeto de Lei 3.325/2017, de autoria do deputado Zaqueu Teixeira, que foi aprovado pela Assembleia Legislativa do Rio (Alerj) no dia 6 de junho.


“Atualmente, a simples comunicação de venda do veículo não é suficiente para isentar o antigo proprietário da obrigação tributária inerente à propriedade do veículo vendido. Cientes dos efeitos de não transferir, alguns compradores deixam de efetuar a transferência da propriedade”, justificou o autor da proposta.

Segundo a lei, uma vez recebida a comunicação de venda do automóvel, o Departamento de Trânsito do Estado do Rio de Janeiro (Detran-RJ) deverá inserir os dados em seus sistemas imediatamente, cadastrando local e data da venda, nome, número do documento de identidade, número do CPF ou do CNPJ e endereço do comprador.

A partir daí, o órgão terá que informar o número de registro da autorização de transferência de propriedade à Secretaria estadual de Fazenda (a quem cabe cobrar tributos), no prazo de dez dias.

Como comunicar a venda

Ainda segundo a lei sancionada, o proprietário de veículo terá 30 dias para comunicar a venda ao órgão de trânsito. Para isso, precisa apresentar original e/ou cópia autenticada da autorização para transferência. Esse procedimento é gratuito.

Se a transação tiver sido feita com uma revendedora de automóveis, na ausência dessa autorização de transferência, o proprietário de veículo poderá apresentar recibo e/ou nota fiscal de compra e venda, informando a descrição do automóvel, o código do Renavam, o nome, o número do CNPJ do comprador, o endereço da revendedora e o local e a data da venda.

Outra possibilidade de comunicação a venda é pagar uma taxa extra ao cartório, por ocasião da assinatura do documento de venda do veículo. Neste caso, caberá ao cartório comunicar a venda diretamente ao Detran-RJ. O objetivo desse sistema de comunicação on-line, chamado de DUT eletrônico, é facilitar a vida do cidadão. Assim, ele não precisa procurar o órgão de trânsito.
 
Do Extra

FACHIN ARQUIVA PEDIDO DE LIBERDADE DE LULA; DEFESA DO EX-PRESIDENTE DIZ QUE RECORRERÁ

O ministro Luiz Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), arquivou nesta sexta-feira (22) o pedido de liberdade apresentado pela defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Após a decisão, a defesa de Lula informou à GloboNews que recorrerá da decisão (leia a íntegra da nota ao final desta reportagem).


Lula está preso desde abril, após ter sido condenado na Lava Jato, e o pedido seria julgado na próxima terça (26). O recurso já foi retirado da pauta de julgamentos da Segunda Turma do Supremo.

Fachin decidiu pelo arquivamento após o Tribunal Regional Federal da Quarta Região (TRF-4), responsável pela Lava Jato em segunda instância, enviar o caso de Lula para o Superior Tribunal de Justiça (STJ), e não para o STF.

Para o ministro, desta forma, o pedido de liberdade ficou "prejudicado".

A defesa do ex-presidente chegou a pedir ao STF que, se a liberdade fosse rejeitada, o petista passasse a cumprir a pena em prisão domiciliar.

Condenação

Condenado a 12 anos e 1 mês, em regime inicialmente fechado, Lula está preso na Superintendência da Polícia Federal em Curitiba (PR). Ele foi condenado em segunda instância pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

A prisão foi decretada porque, no entendimento do TRF-4, Lula recebeu da OAS um triplex em Guarujá (SP) em retribuição a contratos firmados pela construtora com a Petrobras.

Desde o começo das investigações, Lula nega a acusação, afirmando que o imóvel não é dele e que ele não praticou crimes. A defesa do ex-presidente também afirma que a acusação do Ministério Público não apresentou provas.

A defesa de Lula apresentou ao STF um pedido de efeito suspensivo da execução da pena, ou seja, para o ex-presidente aguardar em liberdade enquanto os recursos são julgados nas instâncias superiores.

A defesa também pediu a suspensão da inelegibilidade gerada com a condenação na segunda instância da Justiça, conforme prevê a Lei da Ficha Limpa.

Para isso, a defesa entregou memoriais aos ministros da Segunda Turma nesta quinta (21) e fez também um pedido alternativo: para Lula cumprir prisão domiciliar se o pedido de liberdade fosse rejeitado.

Argumentos

No pedido para suspender a prisão e a inelegibilidade, a defesa reiterou argumentos já apresentados ao TRF-4 que apontam supostas irregularidades no processo, entre as quais:

  • Incompetência do juiz Sérgio Moro para analisar o caso em primeira instância;
  • Falta de parcialidade no julgamento;
  • Falta de isenção por parte dos procuradores do Ministério Público.
  • Os advogados de Lula alegam que a soltura do ex-presidente "não causará nenhum dano à Justiça Pública ou à sociedade", acrescentando que a manutenção dele na cadeia causa "lesão grave de difícil reparação".


Íntegra

Leia abaixo a íntegra da nota divulgada pela defesa do ex-presidente Lula:

A defesa do ex-presidente Lula recorrerá das decisões proferidas hoje (22/06) e estranha que o TRF4 tenha analisado a admissibilidade do recurso extraordinário às vésperas do julgamento marcado pela presidência da 2a. Turma do STF para analisar o pedido de liberdade do ex-presidente.

A decisão do TRF4 foi proferida poucas horas após a defesa de Lula haver apresentado à vice-presidência da Corte, em audiência, memorial demonstrando a presença de todos os requisitos para a admissibilidade dos recursos especial e extraordinário interpostos em 23/04

CRISTIANO ZANIN MARTINS


Barreiras Notícias / G1

Aniversariante do dia Kilsa Cabral

Amor, que o Senhor lhe abençoe e abençoe também este dia que lhe dá o direito de ser feliz, de encher o peito de alegria, abrir o melhor sorriso e abraçar este ano a mais em sua vida.

É o seu aniversário e quero lhe desejar toda a felicidade do mundo, afinal, você merece por ser uma pessoa especial, uma criatura única que me enche de orgulho e prazer por estar ao seu lado.

Parabéns, muitos anos de vida com saúde e fé! Que a paz de Deus que uniu o nosso amor possa nos acompanhar, nos encher de sonhos e estender nossos dias de vida.

Você é uma esposa muito amada é fiel ao Evangelho e digna de ser feliz. A vida ao seu lado é mais feliz, por isso merece todas as bênçãos de sucesso e vitória.

Saiba que ter alguém para dividir os sonhos é muito bom, ainda mais quando esse alguém serve a Deus de todo o coração e se torna a cada dia que passa o meu grande amor.

Feliz Aniversário na Paz do céu! Seu esposo.

Crime de homicídio durante festejo junino na cidade de Parelhas/RN

Um crime de homicídio foi registrado na noite desta sexta-feira (22) na cidade de Parelhas, no interior do Rio Grande do Norte, onde um jovem identificado como Ítalo Cesar de Souza Silva "Coquinho" de 22 anos, foi executado em meio ao público com cerca de 04 disparos durante um festejo junino do Arraia do Felino, segundo informações os executores seriam jovens, quatro deles foram vistos se evadindo do local.

Vale salientar que Coquinho era acusado de uma pratica de um crime de homicido e uma tentativa no dia 05 de maio de 2016, como também já teria sofrido uma tentativa de homicido no bairro Maria Terceira no dia 21 de setembro de 2015.

A Polícia realizou diligência. Qualquer informação para elucidar esse caso é só ligar para a central 190 ou 181.

sexta-feira, 22 de junho de 2018

Arraiá do Educ 2018 Alto do Rodrigues

O evento que já é tradição no município, iniciou as 19 horas com apresentação de vários grupos juninos formados por alunos da escola.
Educandário Jesus Menino, pertencente à rede particular em Alto do Rodrigues, realizou nesta sexta-feira dia (22) de Junho de 2018, o tradicional arraial do Educ. O evento que já é tradição.
Com inicio previsto para as 19h, o Arraial do Educ. contou com apresentação de vários grupos juninos formados pelos alunos do Educandário Jesus Menino, entre eles ”, Nível 1,2,e 1º ano ,2º ano ,3º ano ,4º ano ,e 5º ano,
Escolha da Rainha e o Rei
Quarta apresentação da quadrilha estilizada das turmas do 3º,4º,e 5º ano
Animação do evento ficou por conta de Rafaela Almeida
Além das apresentações das quadrilhas juninas, o arraiá do Educ. contou com a presença dos pais,e realizou,sorteios de 5 sestas .
 Encerrando arraiá do Educ. 2018,de quadrilhas, aconteceu nesta sexta-feira,dia (22) na Quadra de Esporte Omar Rodrigues,apresentação da noite com quadrilhas que Já é “Tradição”.




Mecânico é morto com um tiro na cabeça no Alto da Conceição

ImagemCicero Fernando Soares da Fonseca de 20 anos de idade residente na Rua Juvenal Lamartine no Bom Jardim em Mossoró foi morto com um tiro na cabeça na Rua Joaquim Nabuco no Alto da Conceição, crime que ocorreu por volta das 3h30min da madrugada e hoje, 22 de junho.
O corpo do mecânico foi encontrado ao lado de uma motocicleta que segundo a policia havia sido tomada de assalto no final da noite de ontem.
Segundo o perito criminal Renildo Marcelino acredita que Cicero, quando foi alvejado, estava com a motocicleta parada, informação que bate com a que foi repassada para a policia por moradores da região.
Populares informaram a policia que durante a madrugada foram ouvidas conversas, discussões, seguida do barulho do tiro e de uma motocicleta saindo do local, mas ninguém teve coragem de sair fora pra ver o que estaria acontecendo.
A policia encontrou dentro do porta bagagem da motocicleta um Boletim de Ocorrência “BO ”de roubo dos documentos e um celular, em nome da possível dona do moto. Segundo consta no registro, uma mulher teve os documentos da moto e outros objetos pessoas tomados de assalto no mês de abril.
O Delegado de Plantão, Valtair Camilo não sabe qual teria sido a participação de Cicero Fernando no roubo, apenas que a moto foi tomada na noite de ontem.
Imagem

GOVERNO TEMER QUER CONGELAR REGRA QUE AMPLIA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

O governo Michel Temer (MDB) quer congelar a adoção de regras que aumentariam o tempo que os futuros professores da educação básica passam na faculdade. O CNE (Conselho Nacional de Educação) concluiu em 2015 uma resolução com as diretrizes para os cursos de formação de professores, com ampliação da carga horária. As regras passariam a valer em 2017, mas foram adiadas por um ano a pedido do MEC (Ministério da Educação). O novo prazo vence em julho. A pasta, porém, pediu novo adiamento e não fixou nem previsão para as mudanças. 


A má qualidade dos cursos de formação dos professores é apontada por especialistas como um dos principais gargalos educacionais do país. O texto ampliou de três para quatro anos a duração das licenciaturas. Essas graduações passariam a ter pelo menos 3.200 horas —e não mais 2.800 horas. Cursos de direito, por exemplo, têm duração mínima de cinco anos. Os de medicina, seis anos. A licenciatura (nas diversas áreas, como língua portuguesa, história, física e química) é exigida para professores do ensino fundamental (5º ao 9º ano) e do ensino médio.

A entidade que representa as faculdades privadas, que concentram 62% de um total de 1,5 milhão de matrículas em licenciaturas, também pede adiamento das regras e defende que sejam rediscutidas. Dirigentes das instituições federais engrossam esse coro. O argumento é de que não houve tempo para as faculdades se adequarem. A falta de recursos para contratações está entre os motivos.

O objetivo das novas diretrizes foi criar parâmetros que garantam melhor qualidade das formações. Estipulou-se, além da ampliação da carga horária, um foco maior em atividades práticas e que façam conexões entre outras áreas (interdisciplinaridade).

Pesquisas sobre os currículos dos cursos de formação de professores mostram que é baixo o volume de conteúdo relacionado a conhecimentos específicos de docência. Menor ainda são aqueles que tratam de atividades práticas.

No curso de letras, apenas 5,7% da carga horária são dedicados para didáticas, metodologias e práticas de ensino, segundo dados da pesquisadora Bernadete Gatti, da Fundação Carlos Chagas.

O governo defende que não faz sentido ampliar as licenciaturas agora porque não há a definição da Base Nacional Comum Curricular referente ao ensino médio. O MEC avalia que a base precisa ser contemplada nos currículos das formações de professores.

“A resolução pode e objetiva a melhoria das formações, mas como foi aprovada em 2015 não se alinha às principais mudanças que ocorreram na educação desde então”, diz a pasta em nota, 
ao citar a base nacional e a reforma do ensino médio.

A base define aquilo que os alunos devem aprender na educação básica. A parte relacionada à educação infantil (creche e pré-escola) e ao ensino fundamental (1º ao 9º ano) foi aprovada no fim de 2017. 
O bloco do ensino médio segue em discussão no CNE.

O conselho deve votar no início de julho os pedidos que congelam a validade da resolução. Não há até agora consenso entre os conselheiros.

Relator dessa matéria no CNE, Cesar Callegari disse à Folha que vai defender a aplicação imediata da regra. O argumento do MEC, para ele,  não se sustenta. “A reformulação da formação docente que está na resolução independe dos conteúdos que serão trabalhados”, afirma. “A diretriz é sobre concepção e organização da formação, de como tratar questões práticas como componente curricular.”

Rose Neubauber, ex-secretária estadual da Educação de SP, chama a posição do governo de irresponsabilidade diante da urgência do tema. “A base pode demorar dois ou três anos para ser aprovada, e vamos continuar formando professor em apenas três anos. Estão jogando fora as diretrizes”, diz ela, membro do conselho de educação paulista. “O MEC está cedendo à pressão das faculdades.”

O Todos Pela Educação concorda com a posição do MEC nesse ponto. Para a gerente de projetos do movimento, Caroline Tavares, mais importante do que aumentar as horas dos cursos é saber aquilo que se vai fazer com elas. “Olhando países bem-sucedidos, as evidências mostram que é mais eficaz uma coerência sistêmica. Com uma formação de professores atrelada ao currículo, às avaliações. Que sejam aulas didáticas aplicadas ao conteúdo da base." Prazo é insuficiente e regras têm de mudar, afirmam faculdades. 

O governo federal e as entidades que representam faculdades particulares e universidades federais ainda não têm informações sobre quantas instituições de ensino já se adaptaram às novas regras que aumentam a carga horária de cursos de licenciatura.

O Fórum das Entidades Representantes do Ensino Superior Particular diz que a mudança “seguramente demanda mais tempo do que aquele estabelecido na resolução”. 

A entidade defende uma prorrogação das regras para 2020, além de discutir modificações no texto de 2015. A Andifes (que representa os dirigentes das universidades federais) encaminhou pedido de adiamento ao CNE.

Segundo João Alfredo Braida, da Andifes, muitas instituições ainda trabalham na reformulação dos projetos institucionais e políticos pedagógicos para se adequar à mudança —embora a resolução seja de 2015. “Não tenho dúvida que três anos seria tempo suficiente para essa adequação, caso não tivéssemos as incertezas [orçamentárias]”, diz.

Braida diz que a Andifes não concorda em adiar por tempo indeterminado —um ano seria suficiente, diz ele, para quem os ajustes são possíveis mesmo sem a base definida.