PROPAGANDA DA LOJA

PROPAGANDA DA LOJA

terça-feira, 27 de janeiro de 2015

O corpo da irmã Cecilia já se encontra na casa de uma tia dela em Alto do Rodrigues

O corpo vai ficar hoje na casa da tia que fica vizinho de preto e amanhã vai para Igreja Presbiteriana em Alto do Rodrigues ás 7;00h da manhã 

Vende-se ou aluga uma casa de 1º andar em Alto do Rodrigues-RN Contato: (84) 9909-2196




Vende-se uma ótima casa de 1º andar, toda forrada,localizada no centro da cidade, perto da praça, igreja, banco, supermercados, lojas e etc, a poucos minutos da base da Petrobrás. 

Características: Ar condicionado, varanda, área de serviço, quarto de empregada.

SUELDO FOTOGRAFIAS ; FOTOGRAFIAS EM PORCELANAS PARA TÚMULO COM GARANTIA DE 50 ANOS NA IMAGEM

FOTOS PERGAMINHO
PINGENTE CORAÇÃO COM OURO TAMANHO GRANDE E MÉDIO
PRATOS CANECA 





Nota de falecimento: da morte da Irmã Cecilia Câmara

Nesta terça-feira dia { 27 } de janeiro a Igreja Presbiteriana de Alto do Rodrigues Recebeu a noticia do falecimento da irmã Cecilia da qual ela fazia parte da Igreja .
Esposa do irmão Raimundo Pereira e filha da irmã Conça Câmara.
As primeiras informações que nos chegam, são de que Maria Cecília no domingo teve que ser  encaminhada as pressas para o hospital Walfredo Gurgel em Natal, por conta de uma apendicite aguda.
o corpo de Ela será velada na residencia da mesma em Alto do Rodrigues. mais informação nesse blog

PASSEIO DO CRAS - NO PORTAL DO VALE

Neste sábado dia { 24 }de janeiro de 2015 foi realizado Um Maravilhoso passeio com as Crianças do CRAS de Alto do Rodrigues para o portal do vale, Esteve Presente a Vice - Prefeita Emilia Patricia e a coordenadora do Cras Alto Do Rodrigues Maria das Graças (Gracinha) e toda a sua equipe em um dia de lazer para as crianças do cras , Com o apoio total da Prefeitura de Alto do Rodrigues





VÁRIAS CIDADES BRASILEIRAS CANCELAM CARNAVAL POR CAUSA DA CRISE DA ÁGUA

Várias cidades brasileiras resolveram tomar uma medida extrema: vão cancelar o Carnaval para não piorar a falta d´água. O nível baixo do ribeirão que abastece Itapecerica prejudicou uma tradição em Minas Gerais: a prefeitura cancelou o Carnaval porque no fim do ano passado as torneiras chegaram a secar, e o movimento de turistas poderia trazer de volta o problema para os moradores. Paracuru, no litoral oeste do Ceará, não vai ter as bandas que animam a festa há 40 anos. 


A concessionária de água do estado alertou que a visita dos foliões pode levar o abastecimento a um colapso. No interior de São Paulo, as escolas de samba de Araras não vão poder usar as fantasias que já estão prontas. Os desfiles foram cancelados pela prefeitura para economizar água, que já é racionada desde outubro. “Não concordo, porque acredito que não seria o Carnaval que iria influenciar no racionamento de água”, afirma o presidente de escola de samba Pepe Carrascosa. 

Em Cordeirópolis, os moradores enfrentam o racionamento desde abril do ano passado. Para evitar o gasto excessivo de água o Carnaval também foi cancelado. A cidade recebe em média 10 mil visitantes por noite para os desfiles de escolas de samba e os blocos de rua. A prefeitura ficou preocupada com o impacto que o movimento poderia trazer para o consumo. 

Na principal represa da cidade, a água nem chega até a régua usada para medir o nível. “As pessoas vindo para a cidade acaba aumentando o consumo de água, e isso prejudica o próprio município, que está enfrentando hoje um grave problema de água”, afirma o secretário Giovane Genezelli. O coordenador de um bloco concorda com a decisão. “No outro dia a prefeitura tem que estar com o caminhão de água para estar lavando, então se já não tem água para a população como que vai usar água para a ficar lavando rua?”, questiona Sidney da Costa. 

Nem os comerciantes que esperavam lucrar com a venda de fantasias perderam o humor. “É melhor que deixe o Carnaval para quando tiver água e a gente ficar com água em casa”, completa uma comerciante.

Bom Dia Brasil

APÓS PERDA DA PELE, HOMEM TEM MÃO COSTURADA À BARRIGA (VEJA FOTOS)

Um acidente de trabalho que provocou a retirada quase total da pele da mão esquerda fez com que um homem de Eunápolis, na Bahia, ficasse 42 dias com o membro costurado à barriga para recuperar parte dos movimentos. 
Sócio-proprietário numa empresa de cerâmica de produção de blocos de argila, Ângelo Leopoldo Roldi, 44, teve a pele da mão arrancada quando foi tirar pedras de uma máquina de moer argila,
ligada por acidente por um funcionário dele. O acidente ocorreu em 2009. 



A máquina possui dois cilindros que giram, levando para dentro e moendo o que cai nela. No acidente, a mão de Ângelo foi "sugada" e a pele da mão saiu quase inteira, levando boa parte dos cinco dedos. Restou apenas uma pequena parte da palma da mão. "Se eu não estivesse apoiado com a mão direita, a máquina iria puxar meu braço todo", disse Ângelo. Na medicina, o que ocorreu com ele é chamado de "desenluvamento", já que a pele da mão foi retirada como se fosse uma luva. "Até uns números de telefone que eu tinha anotado ficou certinha na mão ainda", disse Ângelo, que relatou não ter sentido dor na hora, "apenas uma queimação".

Decisão médica

Ângelo teve parte dos movimentos da mão recuperados graças a enxerto de pele.  A intervenção teve de ser feita porque não havia como reimplantar a pele retirada, pois ela estava muito suja de argila e o risco de uma infecção generalizada era muito alto. 
Havia pouco tempo também para que ele fosse transferido para outro local com melhor capacidade de atendimento; em oito horas, se nada tivesse sido feito, a única solução era uma amputação do membro. Ângelo foi operado no Hospital Regional de Eunápolis (municipal), onde permaneceu por 60 dias.

A equipe médica que o atendeu entrou em contato com o cirurgião plástico Leonardo Canhestro, de Belo Horizonte (MG).  Após ver as fotos de Ângelo, Canhestro orientou o médico Hugo Serrano, por telefone, a costurar a mão do paciente dentro da barriga. "Nestes casos, normalmente, a indicação é de amputação no meio do antebraço [entre o cotovelo e o punho]. Esta cirurgia foi idealizada em menos de 1 hora", disse o médico Leonardo Canhestro, que acompanhou Ângelo na recuperação junto com Hugo Serrano.

Recuperação

Após a cirurgia, Ângelo teve de ficar por 42 dias com a mão costurada à barriga, cuja pele daria novo formato à mão. Durante esse período, ele ia sofrendo cortes no abdômen para a mão não se adaptar com a irrigação de sangue oriunda da barriga, já que o correto é o sangue que circula pela mão chegar pelas veias do braço.
A maior dificuldade dessa época, diz ele, era para dormir, sempre de barriga pra cima, e depois ter de ficar com um braço pendurado também para o alto. "Eu dormia por causa do cansaço. [...] Na época, só me alimentava de sopa. Eu passei por uma anemia muito profunda, tive de tomar uns remédios por isso também", disse.

Após a retirada da mão da barriga, os médicos terminaram de encobrí-la, costurando-a. E para cobrir o espaço da barriga que foi para a mão, foi esticada a pele localizada pouco abaixo do peitoral e costurada no "pé da barriga". "Eu fiquei corcunda por uns dias, mas depois a pele foi esticando e fiquei normal", disse Ângelo, que só foi ver a mão depois de 80 dias do acidente, ocorrido em 22 de janeiro de 2009. "Chorei muito quando vi minha mão", disse.

O caso "é excepcional no Brasil", segundo  o médico cirurgião plástico e um dos principais especialistas em mão do país, Luiz Mário Bonfatti, da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica. "Eu mesmo só vi casos no Brasil de desenluvamento parcial, com perda de dois a três dedos, nunca os cinco", disse.
Sobre o procedimento realizado em Ângelo, ele disse que ""é muito trabalhoso para ocorrer a recuperação, da forma como foi feita, mas é possível".
 
Hoje, Ângelo trabalha com a extração de argila, dirigindo uma retroescavadeira. "Prefiro trabalhar no meio do mato, coletando argila para a cerâmica. Desde o acidente, não consigo mais trabalhar com gente, ficou um trauma que não sei explicar direito", disse.  
UOL